quinta-feira, 26 de março de 2015

REX E SULTÃO




                                  REX E SULTÃO


  Defronte a minha casa havia a casa mais bonita da rua. Assim era para mim. E talvez para meus sonhos infantis. Era a única casa afastada da rua. Todas as outras, inclusive a de meus pais, eram pareadas e as janelas davam diretamente aos passantes.

  Esta casa era toda diferente. Havia uma pequenina varanda dando acesso ao seu interior no lado direito e uma linda e moderna janela de vidro no lado esquerdo. Um jardim sempre muito florido a deixava ainda mais encantadora. Parecia que havia saído dos contos de fadas. 

  O proprietário era o morador do lado de cima. Pai de alguns dos meus amigos e amigas. Ele era metalúrgico e trabalhava no Morro da Mina na extração de manganês. Era alto, muito negro, tinha um caminhão basculante e um sorriso muito branco. Eu gostava muito de toda a sua família. Mas ele tinha um cachorro de cor marrom avermelhada, sem raça definida, que vivia preso e que causava medo em todos nós. O nome dele era Rex embora não tivesse uma coroa de rei. Tinha sim uma corrente que o mantinha sob controle.

  Do lado de baixo da minha casinha de sonhos morava um casal de velhos. Não tão velhos assim. Ele já aposentado. Nunca soube no que ele trabalhava. Era de estatura mediana, moreno e viva arrastando um chinelo de couro. Ela era da cor do chocolate e seus cabelos eram compridos, lisos, negros e viviam amarrados num coque que se prendia por si mesmo. 

  O casal tinha vários filhos e netos que viviam por ali. Um dos filhos morava com ele, era o Tião Bento que também tinha um cachorro grande, da cor acinzentada, sem raça definida e que vivia solto dentro de um pequeno espaço que o separava daquela casa da minha infância e da nossa rua. 

  Sultão vivia quieto e solitário. Não incomodava os passantes nem causava medo. Parecia habitar apenas o mundo dos cachorros.

  E os dois viviam em paz nos seus territórios. Talvez porque não houvesse fêmeas para a disputa. Ou porque não atinavam para seus nomes tão nobres. Eram apenas dois vira-latas. 

  Hoje, Rex me faz lembrar Henrique VIII, um Rei britânico astuto, inteligente, impiedoso e que fora capturado pela beleza de Ana Bolena de quem se tornou amante e marido e a quem, depois de mil dias, mandou decapitar acusada de traição. 

  E sultão me faz lembrar Tipu, o grande Tigre de Mysore, ou Tipu Sahib como era chamado pelos ingleses. Adorava conviver com seus seis tigres domesticados. Foi o governante indiano que resistira à conquista do sul da Índia e que fora assassinado pelas tropas inglesas em 1799.

  Henrique VIII e Tipu foram grandes guerreiros e estrategistas militares guardadas as devidas distâncias entre os territórios e as devidas  distâncias entre os tempos.

  Mas para meus vizinhos cães não havia distancia geográfica nem cronológica. Estavam separados apenas pela minha bela casinha com jardim na frente e pela corrente no pescoço do Rei mineiro.

  Entretanto como nada são flores nas vidas de cachorros, de vez em quando  Rex soltava de sua corrente e investia contra o solitário Sultão. Os urros se faziam ouvir por todos os lados. Eles se odiavam e mostravam este sentimento em furiosos ataques. 

   Seria um espetáculo da idade média inglesa ou da era da Companhia das Índias Orientais não fosse a tristeza estampada no olhar de cada um deles. Pareciam chorar e seus lamentos ecoavam ao longo daquela rua. 

  Só havia uma pessoa que conseguia separa-los. O pai dos meus amigos e dono daquela casinha. Ele chegava muito calmo e fazia um laço com uma corda numa mão e a corrente na outra. Gritava para seu cão Rei. Chegava bem perto da luta e, como um mediador, os separava. Sultão era conduzido para seu lugar por algum familiar da sua casa ou por seu dono. Rex voltava para suas correntes. Até um próximo combate.

  Eu não gostava de ver nem de ouvir seus gritos de guerra e dor.

  Hoje quando lembro daqueles raivosos cães penso como cada um vivia no seu território e na sua solidão, presos em pequenos espaços, sem quaisquer contatos com outros animais de suas espécies.

  Ambos com nomes de soberanos: Rex e Sultão. Portanto não seria possível um encontro entre eles que não fosse uma disputa pela posse daquele território e pelo poder total.

  Penso que eles lutavam bravamente pela disputa daquela casinha tão linda que os separava. Talvez pudessem se tornar grandes aliados.

sexta-feira, 20 de março de 2015

FELICIDADE




                                         FELICIDADE: CADÊ VOCÊ ?


  Acordo com o barulho do silêncio. É ainda muito cedo mas resolvo levantar nesta manhã de sexta feira. Quis o destino e os homens que eu não trabalhasse hoje. Eu nada havia previsto dada a expectativa do plantão.

  Tivera uma semana de muitos estudos e muito trabalho.

  Então faço meu café forte e o saboreio com queijo e pão dormido. Logo me vem a vontade de falar com um amigo distante. Envio uma mensagem na manhã silenciosa. O dia está lindo.

  Fazer o quê? Nunca consegui fazer nada. Então sento e olho em torno. Há aquela samambaia para ser mudada de lugar; aquele mensageiro do vento precisava ser hidratado, pois as peças de bambu estão esbranquiçadas e podem se quebrar. Os cachorros precisam de banho e remédios para pulgas e carrapatos. Os projetos da minha horta e do meu enorme vaso de flores estão parados. Eu queria comprar mais frangas botadeiras e tenho que ir à loja para pagar as rações. 

  Minha filha pediu que eu não esquecesse de levar limão capeta e eu quero limão galego. É a primeira produção deles, os galeguinhos, cuja muda eu havia plantado há dois anos.

  E eu continuo sentada pensando em tudo isto.

  Meu amigo responde  dizendo-se feliz pela minha mensagem. E é só o que ele consegue dizer. Sempre em seu castelo de espíritos.

  Lembrei da minha total falta de iniciativa. Eu sei fazer o que se faz necessário mas sempre me falta a palavra de uma outra pessoa. E eis que essa outra chega e já começa a dar rumo nos meus afazeres. 

  É Andreia, esposa do meu vizinho Alberto. Ela cuida de tudo para mim, até mesmo me dando as ordens para o fazer.

 - Eu não aplico as injeções! Tenho nojo de cachorros com carrapatos e pulgas!

  Disse-me ela já tendo buscado os tais medicamentos. 

  Pego as seringas descartáveis e aplico, por via subcutânea e com facilidade, em dois dos cachorros e os outros dois não caem na minha armadilha com o pão. Decidimos que o melhor seria mesmo contratar um serviço especializado para aqueles cuidados. Telefono e agendo uma busca deles para banho, vacinas e exames periódicos. O veterinário já nos é conhecido. 

 E dai por diante começamos tudo aquilo que eu queria. As coisas vão mudando de cara e sendo decididas. Pagamos as dívidas, compramos vasilhames para as rações diferenciadas para as novas moradoras da casa. E lá vamos nós na granja para aquisição das franguinhas.

 Já são onze e trinta horas quando estamos de volta.

 Decido fazer um omelete com muita cebolinha verde e queijo que eu comeria com os tais pães de ontem e limonada. Adoro pães e queijos. Minha vizinha, amiga e dona das iniciativas, convidou-me para comer sardinhas fritas e eu aceitei. Juntamos o meu almoço com o dela e nos fartamos daquela comida tão gostosa. Arroz, feijão, batatas cozidas com açafrão, omelete verde-amarelo, sardinhas fritas e muita limonada.

 - Você quer salada de couve?

  Minha fome dispensou a verdura naquela hora.

  "Barriga cheia, pé na areia."

  Agora é rumo à Via Expressa, onde outra obrigação me aguarda. No caminho porém há a compra da semana no supermercado, frango, pão com baixíssimas calorias, foi o pedido de uma filha, café pra mim (que eu esqueci), frutas, e "iogurte para eu comer com granola", fora o pedido da outra filha.

  Resolvida a questão em Contagem continuo meu caminho para Belo Horizonte de volta para casa.

  Devo dizer que eu sempre fico ouvindo notícias. Agora dei também para ouvir aulas de francês em CD. Ou prefiro ouvir só meus pensamentos e desligo o rádio. 

 Então, ao entrar no carro escuto o comentário sobre o dia de hoje quando é comemorada a Felicidade. Então lembro do tanto que já li sobre esse tal estado de humor. Um sentimento ou sei lá o quê. 

  Percebi através daquele comentário radiofônico que hoje eu estou deveras feliz.

  Após chegar no meu apartamento e encontrar muitas dificuldades para guardar o carro na garagem, tudo aquilo vai-se embora. 

 Fico ainda mais tensa com a desordem deixada pelas filhas, embora reconheça o pouco tempo disponível. Começo a arrumar tudo de uma só vez e nada faço.

 Deixemos as bagunças para elas arrumarem e voltemos à tal Felicidade. Acho que ela, essa tal Felicidade, vem e vai e só alguns de nós, em seu devido tempo, é capaz de percebê-la no exato momento de sua ocorrência. Estamos sempre atrasados.

 Quando perguntamos por ela, é porque ela já se foi. 

 Então só nos resta a saudade de sua passagem.

20/03/2015

quarta-feira, 18 de março de 2015

SUSSURROS



                                     

                      PALAVRAS AO VENTO

   
     Sussurro terríveis palavras de amor ao tempo

     e, temendo que você possa escuta-las, 

     troco seu nome para enganar o vento. 


         03/03/2015

quarta-feira, 11 de março de 2015

MARIAS QUE VISITAM MARIAS



                                      MARIAS QUE VISITAM MARIAS

  Zildinha deixava pra lá os pedidos de sua mãe para que visitasse suas tias.
  
  "Elas gostam tanto de você. É preciso ir à casa delas". E essa conversa sempre se repetia quando ela ainda era muito jovem.

  Não gostava de tais compromissos familiares. Preferia as amigas da escola e aquelas de sua rua. Sempre lembrava das súplicas da mãe mas continuava alheia ao cumprimento delas.

  Neste domingo algo inusitado acontecera na rotina daquela filha.

  Ela levantou cedo, tomou seu café com as quitandas que a cunhada comprara especialmente para ela e fora cumprir uma penitencia de quaresma. Na noite anterior, durante uma festa de aniversário, a irmã de Zildinha puxou conversa com ela e a outra irmã.

 -"Todo ano, na quaresma, eu tenho um propósito. Não que seja uma penitência, mas um propósito". Reiterou Helena.

  Zildinha escutou e gostou muito daquele propósito de visitar as Tias oitentonas, as mesmas que a mãe tanto pedia para que fosse visita-las. Então pegou o carro e se dirigiu à casa de uma irmã e depois da outra. Ela já havia feito o roteiro das visitas levando em conta pontos geográficos das moradia e acessos viários. Fora de pronto aprovado pelas duas.

  Chegaram à casa da primeira Tia. Veio atender uma mulher mais velha que  abriu  o portão tão logo perguntarmos pela Tia Maria da Glória. E a tia nem abriu os olhos. Permaneceu no seu mundo distante. A cuidadora explicara que os efeitos da medicação tomada para dormir ficavam até por volta do meio dia. As três irmãs riam e contavam fatos da convivência daquelas épocas. Lembraram de pequenos detalhes. Aquela tia era viúva de um dos tios paternos. Tio José Pedro que batizara Helena e tinha verdadeira adoração por aquela afilhada. Agora, beirando seus noventa anos, estava  em estado demencial já avançado. Entretanto, de uma hora para outra a tia, mantendo os olhos fechados, dá sua peculiar risada. E Zildinha pensou que alguma coisa da Tia permanecia ainda só dela. 

  -"Vamos para outra tia". ( anunciou a irmã mais velha)

  Nesse momento a cuidadora pediu que se identificassem para que ela falasse aos filhos de Dona Maria da Glória. Com certeza eles ficariam muito felizes com a visita.

 -"Diga que são as três Marias, filhas do Tio Edson".

  Elas gargalharam com suas próprias apresentações.

  Entraram no carro e rumaram para a casa da outra Tia. Entraram por ruelas onde nunca haviam passado e foram sair na rua exata da Tia Maria do Rosário. Foram recebidas com festa, muita alegria e uma incontida surpresa. Tudo naquela casa estava exatamente como estava há quarenta anos. A Tia gabava seu bem estar aos oitenta e quatro anos e sorria de satisfação. Maria Média estava no seu quartinho de sempre, se recuperava de uma grave doença que a deixou por vários dias no único CTI da cidade. Cuidara daquela família desde menina. Mas a Tia Maria do Rosário continuava chamando as atenções para si. Mostrou roupas novas e falou dos filhos bem empregados, dos netos nos Estados Unidos e da "super" inteligência do bisneto com apenas seis anos.

  Falou que considerava madrinha de Maria Zilda mesmo sendo seu marido o padrinho oficial. Zildinha, neste momento, lembrou que aquela Tia sempre a chamara por seu nome composto. Gostava daquela deferência mesmo considerando outras as suas madrinhas. Conversaram, riram e desencavaram mortos. Por fim se despediram e foram para a última etapa daquele propósito.

  A bela casa da tia Maria das Graças ficava no mesmo bairro da antiga casa das três irmãs, por isto fora deixada por último.

  Demoraram atender ao chamado da campainha. Então viera Maria Pequena, a fiel companheira de todos os tempos daquela família. As irmãs foram conduzidas até a sala de TV onde aquela elegante mulher assistia seu programa preferido, Sr Brasil, da TV Cultura. Ficou emocionada ao ver as sobrinhas, sorria a todo instante, apontava para aquele apresentador tão familiar a ela. Perguntava, repetidamente, se elas, as sobrinhas tocavam violão, se gostavam dos cabelos brancos daquele moço da TV, sorria de novo e dizia que era a unica irmã do pai delas e afilhada dele. 

  Tia Maria das Graças era madrinha de Maria de Lourdes a irmã mais velha a quem ensinara a arte de ser uma excelente dona de casa. Tinha uma linda voz e aventurara algumas vezes no coro da igreja e nas serestas. Mas acabara se dedicando às artes plásticas. Tivera suas peças em porcelana, pintadas até com madrepérolas, e seus quadros espalhados por todo o mundo. Ainda conservava a beleza da pele clara. Há alguns anos fora eleita Miss Terceira Idade Agora era sua própria arte.

  As irmãs ainda lembraram da Maria Grande, a eterna companheira da avó paterna e que tem um filho Padre.

  E as visitas terminaram.

  Então Maria Zilda viajou de volta ao tempo. Nem desceu do carro ao levar as irmãs às suas casas. Continuou dirigindo, coisa que ela sempre adorou fazer. Queria ficar sozinha. Procurou seu lugar secreto na cidade e fora para lá. Saiu do carro e caminhou alguns passos. Olhou as montanhas a sua frente. E chorou muito. Lembrou de sua vida ao largo daquelas pessoas. Foram muitas histórias. 

  A mãe tinha razão. Era preciso visitar as Tias. Mesmo com quase quarenta de atraso.

  Propósito cumprido e longo.

  22/02/2015

segunda-feira, 2 de março de 2015

DE VOLTA PARA ALGUM LUGAR

                     

                      

  Eis mais uma vez eu carregando caixas de livros escada abaixo. Com ajudantes jovens, calados e apressados. Tudo é descido em menos de uma hora. Caminhão cheio, lá vamos nós para nosso novo endereço.

  Lembro bem das minhas várias mudanças de bairros e cidades.  Cada uma delas  nas suas extravagâncias. Mas confesso  que sempre gostei de fazê-las.

  Uma vez ganhei um guarda-roupas. Morávamos nove moças numa única república. Era um luxuoso apartamento num edifício velho que se tornou fora de moda. Busquei aquele  presente como quem busca um tesouro. Com a ajuda de outras colegas, trouxemos nas costas nosso elefante, todo branquinho, pela Avenida Rio Branco, em Juiz de Fora. E nele guardei minhas parcas roupas, deixando espaço para as duas meninas com quem dividia meu quarto. Esse lindo móvel me acompanhou  pelo tempo necessário até minha formatura. Ainda vejo cada pequenina gaveta que parecia guardar segredos inconfessáveis.

  Algum tempo depois desse episódio fui convidada para um almoço na bela casa de um parente distante, na mesma cidade. Ao cumprimentar aquele senhor que eu não conhecia, ele me dissera:

  -“Você não é a menina que carregou um guarda- roupa pela avenida?  Naquele dia eu parei meu carro e fiquei apreciando a cena.”

  Desde então nunca mais parei de carregar guarda-roupas.

  Logo que cheguei a Juiz de Fora, em 1975, eu fora morar na casa de um colega de trabalho e compadre do meu pai. A casa ficava num bairro não muito distante do centro da cidade onde eu fazia meu terceiro ano integrado ao cursinho. Eu havia ganhado uma bolsa de estudos  com minha nota numa seleção para cursar o maior e  melhor pré-vestibular da época. Logo fiquei fascinada com a arquitetura do Colégio Cristo Redentor. Ele estava e ainda está encrustado no morro do Cristo Redentor, no ponto mais alto do centro da cidade que fica toda a seus pés.

  Tudo me era novidade. Minha sala era gigantesca e havia um enorme tablado para os professores. Éramos cem alunos desconhecidos. E eu só fazia estudar. Estudei com vários colegas, uma em especial fez toda a diferença. Ela ia até a casa onde eu morava e estudávamos muito. Logo suas notas melhoraram e ela passou a vir frequentemente. Tínhamos métodos, planejamentos e a esperança de uma vaga para o curso de medicina naquela Universidade Federal de Juiz de Fora.
  
  Voltemos a minha amiga que um dia apareceu com seu pai, um libanês que mal falava algumas palavras do nosso português. Ele mandou que eu juntasse minhas coisas e que mudasse para sua casa, na mais fria região montanhosa da cidade. E foram seis meses a dormir de duas a quatro horas por noite, tomar coca-cola com café para espantar o sono e comer todas aquelas comidas árabes.

  Enfim chegou nosso bendito vestibular. Aquele libanês chorou como uma criança quando soube da aprovação de sua filha. Eu também fui aprovada e conquistei meu lugar. Jamais esquecerei  o seu carinho paterno, a paciência de sua esposa, a língua falada de maneira  desajeitada e cheia de arrancos. (1)

  Aquela fora uma mudança deveras promissora.

  Continuei  mudando daqui pra ali e dali para acolá. Fui deixando coisas para trás e buscando outras. Num total desassossego e harmonia.

  Uma vez, escrevendo para um amigo, falei que estava mudando de casa, de cidade, de jeito, de modos de vida e por ai afora. Ele respondeu com uma dissertação acerca de sua  própria falta de mudanças, comparando-se a um tronco envelhecido, rígido e imutável.  Ele dizia admirado com a flexibilidade que eu dava a minha vida. Acho que ele não entendia que aquilo me era preciso.

  Às vezes brinco com os nomes das cidades por onde passei, morei ou trabalhei. Brinco que a letra B é parte integrante da minha vida e fiel escudeira. Pois nasci em Brás Pires, estagiei em Barbacena, especializei-me em Belo Horizonte, morei e trabalhei em Betim e em Brumadinho. Mas afirmo e reafirmo que não quero mudar para Bonfim. Nada contra a charmosa cidade do carnaval a cavalos. Mas tudo contra meu fim.

  Hoje, mais uma grande mudança se faz na minha vida. Voltamos para Belo Horizonte, cidade que me encantou no primeiro ano da década de oitenta. É uma meia volta pois metade de mim ficará junto aos ipês na região das brumas, em Mário Campos.  E é de lá que continuarei a viver e mudar sempre que se fizer preciso. 

  Não carrego mais guarda-roupas. Entretanto jamais deixarei de carregar caixas pesadas com meus tesouros. 

 Por onde for levarei meus livros. Sempre...




(1) Nome: Joseph Kalil El Khoury

Cidade Natal: Kfarnice, área das montanhas libanesas, próximo de Beirute. Chegou ao Brasil, de navio, depois de dias viajando, com 10 anos de idade.