quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Conto infantil: A Baleia Encantada









Juju era o apelido dela. Um filhote da família de baleias onde todas as filhas tem o mesmo nome ou seja: Jubarte. E os filhos também são chamados de Jubartes. Mas Juju foi carinhosamente chamada assim porque era uma baleinha muito esperta. Ela nasceu no oceano Atlântico, no litoral do Brasil, bem pertinho da praia e num belo lugar onde todos iriam vê-la e protegê-la.




Ela estava crescendo muito depressa mas vivia sempre ao lado de toda sua família. Adorava brincar dando saltos fora das águas, no mar. Parecia que iria voar quando suas nadadeiras levantavam como se fossem duas asas a leva-la nas alturas do céu.






Juju já estava danada de esperta. Havia alguns dias em que ela separava da sua família e chegava bem pertinho das areias alaranjadas daquela praia tão formosa. Então ela fazia várias estripulias. Pulava. Gritava. Esguichava água por suas costas. Parecia que queria brinca com as crianças na praias. Nessas horas a mamãe Jubartona ficava toda orgulhosa e comentava com seu marido Jubartoni: " Veja como ela é tão linda e alegre!"



E toda a família Jubarte gostava muito da pequena Juju e a protegia das redes dos pescadores e dos cascos dos navios. Sempre falavam que ela não deveria chegar próximo dos locais perigosos como aqueles.




Em alguns meses do ano, de acordo com as fases da lua, mudavam-se as marés e então todas as baleias apareciam bem perto da praia. Era quando a criançada e seus pais ficavam admirando a festa das baleias. Elas não cansavam de se exibirem em seus magníficos saltos fora d'água e faziam um grande barulho, esguichando água e brincando umas com as outras.



Fora numa festa dessas que Juju afastou de sua família e conseguiu chegar bem perto da praia. E foi, ao pular por cima das ondas, dar seu grito e esguichar água para todo lado, que seus olhinhos não tão pequenos de baleia, encontraram com dois olhinhos pequeninos de verdade. Era Edgar. Um menino que também havia se desgarrado de seus pais e que havia parado para ver as travessuras de Juju tão perto dele. A partir daquela troca de olhares, Juju ficou encantada com Edgar e Edgar ficou encantado com Juju.





Durante todo os dias seguintes das suas férias Edgar passou a levantar cedo e correr para a praia. Sentava uma rocha vulcânica e esperava pela chegada da baleinha esperta. Dai a pouco ela chegava pulando, brincando e fazendo suas piruetas no ar e no mar. Era seu jeito de mostrar felicidade ao ver seu amigo. E parecia que eles se entendiam nas conversas.

Entretanto, como nem tudo que é bom dura muito tempo, chegou o final das ferias e Edgar voltou para sua casa em outro estado; muito longe dali. Mas ele fez seu pai prometer que voltariam àquela praia em todos os meses de março, quando o outono chegasse. E seu pai aceitou o pedido. 




Porém no terceiro ano depois daquele aconteceu um inesperado. Juju que nada sabia do combinado de Edgar com seu pai, continuava a vir todas as manhãs naquele mesmo local bem perto da praia. E brincava. E pulava. E gritava, Ficava por muitas horas esperando por seu amigo. Por fim foi se entristecendo e perdendo seu encanto. 




A mãe de Juju, dona Jubartona, chamava sua atenção quanto aos perigos de nadar tão perto das areias da praia. Em águas rasas as baleias podem se encalhar. Dizia a mãe: " Você está crescendo minha filha e já não deve ficar nadando em águas tão rasas. Você pode garrar nas areias e ficar encalhada."




E o que as mães falam quase sempre são verdades, foi o que aconteceu. Juju já estava muito crescida, muito pesada e acabou ficando presa nas areias alaranjadas daquela praia tão dela.



Na manhã seguinte os pescadores da região acordaram bem mais cedo pois os gritos de dor de toda a família jubarte chegava bem distante. Correram até a praia e viram Juju chorando com seu corpo quase todo fora das águas do mar. Foi um Deus nos acuda. A notícia correu logo e, a cada minuto, chegavam mais pescadores e seus familiares para juntar força e empurrar Juju de volta para as profundezas do oceano. Enquanto os homens faziam forças de Hércules as mulheres e as crianças jogavam água por todo seu corpo que já estava ficando ressecado e desidratado.



Vieram soldados da marinha com muitas cordas e até uma lancha para tentar resgatá-la.
Nunca aqueles moradores viram coisa tão dolorosa. Choraram por todo tempo.

Juju não resistiu.

Logo depois, juntaram-se novamente, pescadores, moradores, visitantes, marinheiros, estudantes e uniram forças para enterrar Juju ali bem perto da praia. Os biólogos registraram e fotografaram tudo. A seguir comunicaram a todos que, depois de alguns anos, iriam retirar seu esqueleto e colocá-lo no Museu da Biologia Marinha Brasileira para que os visitantes conhecessem a história da Juju.




Do outro lado do país nossa história não acabou. Edgar e seus pais se preparavam para mais uma viagem de férias naquele paraíso das areias alaranjadas.

Edgar correu na manhã seguinte de sua chegada para esperar por sua tão alegre amiguinha grande. Ficou esperando por muitas horas. Ninguém queria contar ao menino o que acontecera com Juju. Falaram primeiro ao pai dele.
Após saber do ocorrido, Edgar continuou sentado na mesma pedra preta de sempre. Chorou muito. Voltou para a pousada e fez um pedido a seu pai. Um pedido muito estranho.

E hoje todos que forem visitar a Praia Formosa, das areias alaranjadas, verão um menino gigante esculpido em concreto, com boné, camisa e shorts coloridos, bem no alto de um mirante. 

E lá do alto, dia e noite, o menino olha para o mar esperando a volta de Juju.






Abril/2017

Agradecimentos especiais:
. Douglas S. Soares( ilustrador/14 anos)
. Tiago Paschoalin (assessoria)
. Francisco( assessoria)
                                        






3 comentários:

  1. Muito bom!!;

    criatividade sem limites

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta história foi inspirada no relato de um guia acerca de um filhote de baleia que morreu encalhada na praia. Só dei uma versão pessoal do que foi dito. Abraços

      Excluir