segunda-feira, 12 de setembro de 2022

Conto: Bonecas e desesperos na tarde de domingo

 



                  
    
A meninada insistia para que a mãe os deixasse ir à casa da tia já que o pedido retornava a ela caso pedissem ao pai.
Ele sempre dizia "sua mãe é quem sabe. Pergunte a mãe de vocês”. Assim acontecia em alguns domingos, após o almoço, na casa do Zezinho que era um dos quatro irmãos menores daquela numerosa família. Talvez a mãe consentisse com tal pedido até mesmo para seu descanso das estafantes tarefas domésticas. E para lá iam os dois pares das crianças. Glorinha, Zelinha, Zezinho e Joãozinho. A casa da tia era muito longe, mas eles nem se importavam. Haveria muitas brincadeiras, uma mesa com café e pão com margarina em retribuição.

Os quatro filhos da Tia pareavam nas idades com aqueles primos.

Depois de caminharem sozinhos grande distância até o centro da cidade alta, atravessavam a praça principal e começavam a descer a Rua Brasil. E a tal rua parecia nunca ter fim. A descida era muito íngreme e muito longe até a casa daquele tio louro dos olhos azuis, do nariz muito fino e daquele gogó no pescoço. A mãe dizia que aquilo chamava Pomo de Adão e as crianças caiam nas gargalhadas.

Chegavam esfomeados, sedentos de água e de brincadeiras. E contavam os minutos para a hora do café com pão. A casa mais parecia uma casa de bonecas. Tudo colorido e no seu devido lugar. Parecia que só as personagens das histórias infantis habitavam aqueles espaços. No quarto das meninas haviam as bonecas mais modernas daqueles tempos. Glorinha enchia os olhos de vontade de ter uma daquelas bonecas. Não teria. Zelinha aceitava qualquer brincadeira desde que pudesse desfrutar das companhias das primas. Mas observava tudo. As meninas tinham jeito de princesas, pensava ela. A mãe mais parecia uma rainha. E havia uma ama que, com um sorriso no rosto parecia querer brincar também. Entretanto ela não descuidava de suas pupilas e de toda aquela meninada. Joãozinho ainda era muito pequenino e quase não ia, pois pedia colo.

E foi numa dessas visitas que algo sucedeu. Voltando para casa, depois de muito brincar, chegava o cansaço e logo haveria aquela rua inacabável que, agora era só subida. E lá foram os meninos e as meninas. Zezinho começou a reclamar ainda na metade do morro. Era um choro contido e raivoso. Quando chegou bem lá em cima, já no passeio lateral da padaria do Sô Nestor com a frente voltada para a praça, o menino pisou em falso no meio fio e caiu. Aproveitou a queda e libertou o choro. Chorava convulsivamente. E, toda vez que chorava de raiva, havia o tal do engolir fôlego. Uma vez ele quase arrancou o dedo do pai quando este foi tentar desvirar a língua do filho que impedia a chegada do ar. Deu-lhe uma forte dentada. Aquilo zangou e foi preciso muito tratamento. As irmãs sabiam disso e se desesperaram. Então Zezinho engoliu o fôlego ali mesmo no chão do calçamento pé de moleque. Já roxeava quando as meninas começaram a gritar e a chorar. Como quem desce do céu, apareceu Sô Nestor que conseguiu fazer voltar o fôlego do Zezinho. Nunca se soube o que ele teria feito para salvar o menino. Mas sabe-se que na padaria dele havia o doce de leite com coco em pedaços mais deliciosos da praça.


Fotografia: exposição dos trabalhos das pessoas portadoras de sofrimento mental em Belo Horizonte (arquivo pessoal)

12/09/2022







Nenhum comentário:

Postar um comentário