terça-feira, 9 de setembro de 2014

SHEERAN




                       UMA DOENÇA MUITA ESQUISITA 

  Eu gostava muito daquele professor da língua enrolada. Nunca soube se era boliviano, peruano, colombiano ou italiano. Não ousava perguntar. O nome não terminava com “i” mas este aparecia no meio dele e soava como se fosse um verdadeiro nome italiano. 


  Fora em uma de suas aulas que ouvi pela primeira vez o nome esquisito daquela doença também muito esquisita. Tratava-se de um quadro clínico endocrinológico onde, as pessoas acometidas por tal doença, iam emagrecendo, perdendo o apetite, apresentando cansaço fácil, desânimo, rarefação e queda dos pelos dos caracteres sexuais. A pele, muito branca, parecia rejuvenescida. Eram estes os sinais e sintomas.


  A tal doença tinha um nome estrangeiro e era causada por uma alteração na função da glândula hipofisária. Acometia apenas mulheres uma vez que se dava devido a vários partos consecutivos onde havia perdas sanguíneas

 Terminada a aula procurei aquele médico professor e disse-lhe que conhecia uma pessoa com tais sinais e sintomas. 

 Ele riu; me olhou surpreso e, na sua calma clínica, me disse tratar-se de uma doença muito rara, mas aceitou atender meu pedido  e orientou que eu levasse tal pessoa de minha suspeita na semana seguinte.

 Então lá fui eu buscar minha tia na sua tão longínqua fazendinha.

 E aqui começa minha viagem de busca-ativa.

 Minha tia Zezé vivia numa região rural da Zona da Mata Mineira, distante mais de uma légua da cidade. Eu conhecia aquelas estradas de olhos fechados. Sabia das árvores e das plantações em cada trecho. Quase sempre íamos a pé a casa dela. Meus irmãos, primos e muitos amigos. Era sempre uma festa aquelas caminhadas. Em todas as férias lá estávamos nós e nossas vias sacras pelas casas de nossos tios e primos.

 Melhor que tudo isto eram as acolhidas e as merendas. Ríamos por quaisquer bobagens. Havia bolos de fubá, brevidade de rapadura, biscoito de polvilho frito e assado, queijos frescos e um café também de rapadura que cheirava longe.

 Admirava minha tia por sua doçura e força de trabalho. Parecia também feita de rapadura. Além de cuidar de seus oito filhos, ela era a única professora da única escola rural das redondezas. Fazia quitandas a mais para levar de merenda para seus alunos e dizia que criança com fome não aprenderia as lições. 


 A escola tinha apenas uma sala de aula e ali havia alunos a serem alfabetizados, alunos da segunda, terceira e quarta séries, estes  com direito a diploma e festa de formatura.

 Minha tia não se esquecia de nada. Era pequena, muito magra, clarinha, dos olhos azuis, do sorriso largo e do coração maior ainda. O casal não conseguiu acumular riquezas da fazenda. Suas riquezas eram bem outras. Eu era amiga da filha mais velha que igualava comigo na idade e nos jeitos. Mas amava todos eles.

 O tempo passou. Alguns anos depois soube que minha tia estava muito doente. A preocupação era geral. Os médicos não descobriam a causa da anemia e da fraqueza e ela definhava ano após ano. Por fim a família resignou-se em vê-la sempre de cama, desanimada e sem forças para a lida do dia. A doença trouxe-lhe um amarelão na pele e tomou-lhe a vida.

 Então, mais tarde, enquanto estudante de medicina resolvi refazer aqueles caminhos para ver minha tia. E lá estava ela, muito doente. Não lhe faltou um sorriso a me abençoar. Percebi, já com meu olhar clínico, que ela perdera os pelos da axila, das pernas, os cabelos ralearam e soube que as regras haviam desaparecido. Voltei entristecida para a faculdade.

 Mas, eis que naquela aula, a doença da minha Tia aparece com um nome muito chique, Sheeran.  


 Telefono para meus primos e lá vou eu busca-la. Chegar até lá não fora tão difícil. Mas nem meu tio e nem eu tínhamos dinheiro para trazê-la. Haviam gastado tudo que não tinham e as esperanças eram poucas para o caso dela. 


 Meu tio conseguiu dois cavalos e, então, faço minha primeira viagem no lombo de um burro. Eu haveria de ajudar minha tia. Na cidadezinha próxima, Cipotânea, conseguimos um ônibus até Barbacena e de lá até Juiz de Fora.


 Eles foram acomodados por mim e minhas colegas de república com o mesmo carinho que  eu sempre fora recebida por eles.

 O professor da língua enrolada não precisou nem de cinco minutos para fazer o diagnóstico de tão rara doença cujos exames bioquímicos complementares vieram apenas para confirmar minha suspeita. 


 Aquele Doutor famoso internou minha Tia no Hospital Universitário e lá cuidou dela com competência e esmero durante muito tempo.

 Hoje, ainda retumba em mim o eco daquilo que meus mestres sempre ensinavam, ou seja, “a clínica é soberana”.

 E, ainda hoje, o sabor da brevidade de rapadura tá guardado na minha boca.

 Mas eu nunca mais viajei montada no lombo de um burro.


28/05/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário