terça-feira, 15 de julho de 2014





ME OLHE COM SEUS OLHOS


   A viagem foi um tanto cansativa devido às escalas aéreas, mas nada que pudesse prejudicar nossa alegria pelo descanso merecido.

  João Pessoa é a cidade mais oriental da América do Sul com belíssimas e preservadas praias. 

  Não deixei de ir ao tão esperado por do sol na praia do Jacaré. Ali, “Jurandir do sax” apareceu tocando Bolero de Ravel, dentro de um pequeno barco no estuário do Rio Paraíba. Emocionante. Sem deixar de falar na praia de Tambaba, única praia de naturismo oficializada no nosso nordeste. Muita euforia e curiosidade de alguns e constrangimentos  de outros.

  O povo paraibano recebeu-nos com muita alegria. São grandes anfitriões. Prometi voltar lá. Quero ir à festa de São João em Campina Grande e me fartar de forró.

  Conhecemos lugares que fizeram parte da historia do Brasil; conhecemos pessoas interessantes de São Paulo e do Rio Grande do Sul, além de um charmoso garçom angolano e muitos outros coloridos para a alma.

  Entretanto um determinado acontecimento  chamou minha atenção.

  Foi num final de tarde.

  Da janela do ônibus, parado nesse momento, meus olhos foram convocados a assistirem uma cena quiçá moderna demais para meu olhar viajante.

  Um menino de mais ou menos quatro anos, com sua bermuda e sua cueca arriadas até a areia da praia. Ele fazia xixi, se deliciava com as ondas beijando seus pés e olhava para seu fluxo urinário caindo de encontro às águas do mar. 

   Procurei por alguém que estivesse cuidando daquela criança.

  Então vejo um homem agarrado a uma ultramoderna máquina fotográfica como se aquelas lentes fossem deveras seu olhar. Ele fotografava outra criança; esta uma menina ainda por andar, mantida segura pela mão da mãe e sem entender nada do que estava acontecendo. A mãe fazia poses de modelo. O olhar fotográfico do pai era só naquela filha.

 O menino tentou aproximar daquela cena. Não havia lugar para ele sob o olhar do pai. Ele vira as costas e volta em direção ao mar que o chamava.

 O menino tentou novamente aproximar do trio que, mais uma vez, o ignorou. Deu várias voltas, levantou os braços, num chamado em vão. 

  A mãe toda preocupada com seu longo vestido verde balançando com o vento marítimo. 

  O pai continuava tomado pelos olhos que não eram seus. A menina ficava sem nada entender. 

  O menino começou a sentir-se ainda mais preterido. Corria em direção ao mar e voltava correndo quando a maré vinha em sua direção. A bermuda e a cueca continuavam arriadas dificultando seu correr.

 “Ai meu Deus ninguém tá vendo o menino, as ondas vão arrastá-lo”. Era eu e meu desespero de mãe dentro do ônibus.

 Então fiquei matutando sobre que efeitos teriam para aquela criança e tantas outras as experiências de desamparo frente ao não olhar do pai ou da mãe?

  Pensei naquele pai que precisava de um instrumento interposto entre seus olhos e sua família para continuar não vendo  aquilo que ele não conseguia olhar, ou seja, uma esposa desejando ser amada, uma  filha tentando dar seus primeiros passos e um filho pedindo um lugar naquela cena.

 O ônibus deu partida sem que o homem tivesse tirado a máquina de seus olhos.



15/05/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário