quinta-feira, 26 de março de 2020

Marias da Rua

(Delicadezas em tempos de Coronavírus - VI)
   
   Da janela da minha infância 

   Na noite longa de outono

   Fecho os olhos

   Escuto os guizos

   dos meus sonhos

   e vejo as Marias

   Maria do Sô Antônio

   Ela barriga d’água

   Ele de passos incertos

   Lá vai ele

   Maria do Sô João

   Nem vejo

   Mas escuto a voz

  -Varre essa casa menina!

   Maria do Sô Pedro

   Andar ligeiro

   mais um filho na barriga

   Maria do Sô Sebastião

   Conversa com a Carolina:

   Dá a bênção minha mãe

   Maria cheia da alegria

   era só poesia 

  
   Maria da frente

   dos mamões de corda

   e do jardim de rosas

   Maria das palavras

   E dos “filhos meus”

   Maria da janela

   Nem me vê

   Olhando prá ela.

   Maria minha mãe

   Levanta dai

   e me beija.


26/03/2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário